Abba do chapéu

Abba do chapéu

Publicado em 12/08/2013 no Jornal O Dia

A Abba do chapéu ai de cima não é senão o grupo sueco Abba, que dominou as paradas de sucesso nas décadas de 70 e 80. E o chapéu, bem, o chapéu é um educador que investe em cultura, especificamente no Teatro.

Este chapéu, um “sombrero” de tão promissor, é conhecido no Rio por Carlos Alberto Serpa. Certamente que vocês, atentos à possíveis jogos de palavra, já deduziram: o sisudo professor Serpa está investindo em levantar memórias musicais de sua época. A começar pelo Abba, cujos hits agora viraram um musical no Teatro Clara Nunes.  Dirigido pelo ator Tadeu Aguiar, Serpa assina o espetáculo, alem de colocá-lo de pé com produção muito esmerada.

Nem vou me estender aqui em comentários mais alongados. Vale dizer, numa palavra, que fui e gostei. E de tudo, desde os jovens cantores até os figurinos muito criativos (e caprichosamente realizados) por Beth Serpa, mulher/musa do educador.

Estendo-me, sim, sobre o “beau geste” de um empreendedor que não é do Teatro, mas nele investe, nele mergulha com apetência e paixão. Aliás, Serpa não é bem um neófito no assunto, por que há anos faz espetáculos na Casa Julieta de Serpa, um casarão da Praia do Flamengo que tinha tudo para virar um espigão e foi preservado também por ele.

Do que me lembro, só um empresário, o Paulo Ferraz (dos estaleiros), investiu antes do Serpa em Teatro, a ponto de receber o Troféu Estácio de Sá, lá pelo final dos anos 60, dado pelo Estado do Rio através do Museu da Imagem e do Som aos mais produtivos mecenas do ano.

A convergência do educador e do Teatro está dando, ao que sei, outros frutos. A Cesgranrio – de que ele é presidente – está criando prêmios para as melhores peças do ano, além de escola e oficinas de teatro.

Ou seja, este pais, que parece insensato e devedor por parte do Estado, pode melhorar – e muito – com individualidades empreendedoras. E apaixonadas.

Ricardo Cravo Albin
Presidente do Instituto Cultural Cravo Albin