Neymar: atuação e provocação

Neymar: atuação e provocação

Publicado em 10/07/2018 no Jornal O Dia

Sempre me fascina observar o comportamento dos indivíduos que atuam para grandes plateias. Certamente que não acolho aqui os solos interpretativos de artistas em palco, mas sim, em tempo de futebol, aos jogadores em ação na Rússia.

Devo sublinhar que pouco entendo das técnicas, ou de firulas processuais do jogo. Sou um tricolor que aprendeu a amar seu time a partir da sede de Álvaro Chaves. Nelson Rodrigues, de quem sempre procurava ficar ao lado nos treinos das Laranjeiras, me disse que a magia se fazia no campo uma solitária vez, o momento sagrado do gol.

De fato, este é o momento da ligação canônica do espanto com o assombro, da culminância com o arrebatamento. E muito mais me disse Mestre Nelson, cuja sabedoria haveria de endossar o que quero impetuosamente declarar agora: o Neymar não foi apenas o melhor jogador desta seleção.  Ele pode, sim, dar-se o luxo de criar uma “persona”, ou seja, atuar em campo, um ator a urrar de dor como um personagem de Shakespeare, a rolar-se ao chão como um contorcionista de Molière.

Que chore, que grite, que se vire e revire. Mas – eis o clarão, eis a essência que tudo justifica e permite – que faça gol. Que engane e drible malandramente o opositor ao seu encalço, mas que chute para a trave. E que faça de seus pés o canhão a disparar o petardo.

O gol é único momento de redenção de um jogo aparentemente idiota em que 22 atletas arduamente treinados e muitíssimos bem pagos cortejam uma bolinha banal, como apregoou o poeta Pablo Neruda em possível estado de mau humor (no Maracanã, ao lado de Vinicius de Moraes).

Portanto, meus caros, encareço,  mesmo com  o   Brasil   já fora da  Copa ,  a solidariedade de vocês para a adoção irrestrita ao Craque Nacional. Não importa que Neymar tivesse estado um tanto irregular aqui ou acolá na Rússia. Pouco se me dá que ele insista em seu teatrinho quando projetado ao chão. O fato é que ele é capaz da essência, a de produzir o clarão.

Antes da atuação de Neymar contra o México, sua taxa de aprovação no twitter teria baixado a 66%, empatando com Gabriel Jesus, e perdendo de 95% para Philippe Coutinho. Meu Deus, que injustiça e ingratidão.

Acode-me agorinha a lembrança de que o dramaturgo Tennessee Williams fez o elogio do jogador de futebol americano Joe de Maggio, porque foi o único em sua época a fazer mais gols (ou pontos). Com tal veemência e assiduidade, que pode conquistar a mulher mais desejada dos anos 1950, Marylin Monroe.

Às vésperas do jogo desta sexta-feira de  que  saímos  eliminados ,  assisti ao poeta Antonio Cícero dizer na Academia Brasileira de Letras que Filosofia e Poesia se encontram e se fundem no espanto e no assombro. Tal qual o futebol, penso eu, cujo único tempo de encontro é também o espanto e o assombro que só o gol permite irromper. Como teria lembrado outro poeta da Academia Domício Proença Filho (cito sem permissão), só mesmo o gol a penetrar no quadrado com a sacralidade de um pênis certeiro. Para explodir em gozo na rede vaginal.

 

Ricardo Cravo Albin

Presidente do Instituto

Cultural Cravo Albin