Morte e Vida

Morte e Vida

Publicado em 13/12/2016 no Jornal O Dia

Morte e Vida

Li, entre emocionado e por vezes até aflito, tudo o que se escreveu (e se falou) sobre a morte de Ferreira Gullar nesta última semana. A grandeza austera e universal da obra do poeta sempre correu paralela à vida intensa em fazeres e haveres, uma soma arrebatadora do ato de viver, com o sangue em ebulição, para construir pontes intelectuais de convergências ou de divergências. O que fez produzir em Nélida Piñon a frase certeira, “sua biografia de vivências pessoais na política e nos debates estéticos será tão importante quanto sua obra”.

Eu iria continuar hoje, neste espaço exíguo, a destilar memórias do que compartilhei com ele ao longo de muitas décadas, algumas das quais centralizadas em Teresa Aragão, amiga querida minha e que me fez muito próximo do marido.  Nos anos 60, nós três passamos a pesquisar, visitar e nos encantar com os artistas ínclitos, aqueles revestidos pela pureza e espontaneidade, especialmente, é claro, os compositores dos morros ou da ala de compositores das Escolas de Samba. Pintores também bafejados pela veemência e ousadia passearam por nossa rota comum de busca e de revelação. Eram os tempos do Teatro Opinião ou do CPC da UNE, que se esticavam às palestras do ISEB, com Candido Mendes, Roland Corbisier ou Guerreiro Ramos. Sim, estava estimulado a refletir mais e mais sobre o amado poeta e companheiro de andanças. Que, poucos dias antes de ir para o hospital, me mostrara na casa-atelier de Copacabana suas colagens abstratas e quase geométricas, uma coleção de sólida beleza conceitual e estética que ele, inquieto e provocador como sempre, vinha criando nos últimos anos.

Mas, ao assistir há pouco no Teatro NET-Rio ao espetáculo “60! Década de Arromba – Um Doc. musical”, decidi compartilhar a morte de Gullar com o nascimento de um novo tipo de show, um mergulho nos anos 60 em eletrizante evocação visual da década onde tudo aconteceu, para o bem ou para o mal. De imediato, conectei a originalidade e o atrevimento do espetáculo do diretor Frederico Reder à coragem e sabedoria do Gullar nas veredas dos 60, ousando o exercício da liberdade nos míticos shows do Opinião e na dramaturgia de Vianinha, Boal ou dele mesmo.

O elenco de cantores jovens surpreende, em especial Bel Lima, neta do grande escritor Alberto da Costa e Silva, cuja natural austeridade não escondia na platéia o brilho nos olhos. De puro orgulho.

A estrela do show é Wanderléia, a musa da Jovem Guarda-1965, esplendorosa aos 70 anos. Mas não faltam, é claro, citações eloqüentes ao Teatro Opinião, à música de protesto, à luta a favor dos ideais de liberdade de que Gullar era pregoeiro e militante, naqueles 60 efervescentes.

 

Rio, 9 de dezembro de 2016

Ricardo Cravo Albin

Presidente do Instituto Cultural Cravo Albin