MPB a alma do Brasil

O mais recente lançamento editorial do ICCA ,“MPB a alma do Brasil”, é resultado da parceria construída com a FINEP, a Faperj e a Fundação Alexandre Gusmão (MRE). O retrato dos 40 anos essenciais da Música Popular Brasileira (dos anos 60 aos iniciais de 2000) foi escrito por estrelas do jornalismo especializado como Antonio Carlos Miguel, Artur Xexéo, João Máximo e Luiz Antonio Giron. A organização e a belíssima introdução, que abraça um período mais extenso para melhor situar as raízes históricas da MPB, couberam a Ricardo Cravo Albin, que “traça o nascimento dos gêneros e dos compositores, desde as primeiras manifestações de miscigenação, de transculturação, e de evolução que fundamentaram nosso swing, numa caminhada poética pelas casas da ‘tias’, pela época de ouro do rádio, marcada não apenas pelo choro como também pelo jongo”, segundo as palavras de Luis Manuel Rebelo Fernandes, Presidente da FINEP.

Muitas histórias da MPB, segundo Ruy Garcia, Diretor Presidente da Faperj, “precisam ser contadas, fatos esclarecidos, para que possamos entender a profundidade de seu enraizamento em nossa cultura”.  A publicação de “MPB a alma do Brasil” busca, justamente, esse novo olhar sobre a mais sedutora manifestação  da alma brasileira.

A cuidadosa edição bilingue (português/inglês), cuja concepção gráfica arrojada merece destaque, é completada por 2 CDs que apresentam uma seleção das canções mais significativas do período.

Sumário

Introdução / Ricardo Cravo Albin

Dos festivais à volta do samba (1967-1977)  / João Máximo

Estrelas cintilam, o rock irrompe (1977-1987) / Arthur Xexéo

Músicas além (e apesar) do marketing (1987-1997) / Antônio Carlos Miguel

A virada do impasse (1997-2000) / Luiz Antônio Giron