Clube de Jazz e Bossa

O feliz encontro do Jazz com a Bossa

Resultado de uma intensa agitação musical em torno do jazz e da bossa nova no final dos anos 50 e início dos anos 60, o Clube de Jazz e Bossa (CJB) foi formado no Rio de Janeiro, em 1965, por jovens críticos musicais, radialistas, músicos, jazzófilos amadores e jornalistas, transformando-se em um movimento de todos aqueles que apreciavam uma música de alta qualidade.

Durante os dois anos em que funcionou regularmente, o Clube de Jazz e Bossa realizou uma série de atividades, dentre as quais destaca-se a criação da Comenda da Ordem da Bossa, cujo objetivo era o de homenagear os grandes nomes da música popular brasileira, seus fundadores e referências históricas.

A partir do acervo do Instituto Cultural Cravo Albin, de entrevistas e de outras fontes de pesquisa, foi realizado o levantamento do material que consta deste catálogo. Destaca-se a t ranscrição da fita até agora inédita do histórico evento em que a Comenda da Ordem da Bossa é oferecida a Pixinguinha pelo Clube de Jazz e Bossa no Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro, na noite de 23 de julho de 1967, com a presença de Vinicius de Moraes, Ismael Silva, Tom Jobim, Ricardo Cravo Albin, Sérgio Cabral, Sérgio Bittencourt, Walter Fleury e Jorge Guinle, entre outros.

O jornalista e crítico musical José Domingos Raffaelli, um dos participantes do Clube de Jazz e Bossa, assina a apresentação deste catálogo.

Instituto Cultural Cravo Albin
Rio de Janeiro, 2004

Discurso de Vinicius de Moraes em homenagem a Pixinguinha
[audio:http://institutocravoalbin.com.br/wp-content/uploads/2010/01/01Discurso.mp3|titles=Discurso de Vinicius de Moraes em homenagem a Pixinguinha]

Carinhoso
[audio:http://institutocravoalbin.com.br/wp-content/uploads/2010/01/02Carinhoso.mp3|titles=Carinhoso]
Pixinguinha, Tom Jobim e Ismael Silva
(Pixinguinha e João de Barros)