MPB nas Escolas
<< Voltar

Músicas do Kit MPB nas Escolas

Escute alguns trechos das músicas que compõem o CD do MPB nas Escolas e leia as letras abaixo:

01| Pelo Telefone

COMPOSIÇÃO: Donga/Mauro de Almeida – com Martinho da Vila

O chefe da polícia pelo telefone manda me avisar
Que na Carioca tem uma roleta para se jogar
O chefe da polícia pelo telefone manda me avisar (é sim)
Que na Carioca tem uma roleta para se jogar

Ai, ai, ai,
Deixa as mágoas para trás ó rapaz
Ai, ai, ai,
Fica triste se és capaz, e verás.

Ai, ai, ai,
Deixa as mágoas para trás ó rapaz
Ai, ai, ai,
Fica triste se és capaz, e verás.

Tomara que tu apanhes
Pra nunca mais fazer isso
Roubar amores dos outros
E depois fazer feitiço.

Olha, a rolinha / Sinhô, sinhô
Se embaraçou / Sinhô, sinhô
Caiu no laço / Sinhô, sinhô
Do nosso amor / Sinhô, sinhô
Porque este samba, / Sinhô, sinhô
É de arrepiar, / Sinhô, sinhô
Põe perna bamba / Sinhô, sinhô
Mas faz gozar.

O “Peru” me disse
Se “Morcego” visse
Não fazer tolice,
Que eu não saísse
Dessa esquisitisse
Do disse e me disse.

Ai, ai, ai,
Deixa as mágoas para trás ó rapaz
Ai, ai, ai,
Fica triste se és capaz, e verás.

Ai, ai, ai,
Deixa as mágoas para trás ó rapaz
Ai, ai, ai,
Fica triste se és capaz, e verás.

Queres ou não / Sinhô, Sinhô,
Vri pro cordão / Sinhô, Sinhô
Ser folião / Sinhô, Sinhôação / Sinhô, Sinhô
De coração / Sinhô, Sinhô
Porque este samba / Sinhô, Sinhô
É de arrepiar / Sinhô, Sinhô
Põe perna bamba / Sinhô, Sinhô
Mas faz gozar.

02| Brejeira (Instrumental)

COMPOSIÇÃO: Ernesto Nazareth, Evandro e seu regional – com Jacob do Bandolim

03| Com que roupa?

COMPOSIÇÃO: Noel Rosa – com Nelson Gonçalves

Agora vou mudar minha conduta
Eu vou pra luta pois eu quero me aprumar
Vou tratar você com a força bruta
Pra poder me reabilitar

Pois esta vida não está sopa
E agora com que roupa
Com que roupa… eu vou?
Pro samba que você me convidou, me convidou…
Com que roupa… eu vou
Com que roupa eu vou
Pro samba que você me convidou

Seu português, agora, deu o fora
Já foi-se embora e levou seu capital
Esqueceu quem tanto amou outrora
E foi no Adamastor pra Portugal
Pra se casar com a cachopa

E agora com que roupa
Com que roupa… eu vou?
Pro samba que você me convidou, me convidou…
Com que roupa… eu vou
Com que roupa eu vou
Pro samba que você me convidou

Pra se casar com a cachopa

E agora com que roupa
Com que roupa… eu vou?
Pro samba que você me convidou, me convidou…
Com que roupa… eu vou
Com que roupa eu vou
Pro samba que você me convidou

Agora estou pulando como sapo
Pra ver se escapo
Desta praga de urubu
O meu paletó virou farrapo
E eu vou acabar ficando nu

Meu paletó virou estopa
Eu nem sei mais com que roupa
Com que roupa que eu vou…
Pro samba que você me convidou, me convidou
Com que roupa… eu vou
Com que roupa eu vou
Pro samba que você me convidou.

04| Aquarela do Brasil

COMPOSIÇÃO: Ary Barroso – com Gal Costa

Brasil,
Meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos…

Ô Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
Ô Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor…

Brasil, pra mim… Pra mim… Pra mim!

Ô, abre a cortina do passado
Tira a Mãe-preta do cerrado
Bota o rei-congo no congado
Brasil, pra mim, pra mim, pra mim!

Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua toda a canção do seu amor
Quero ver “essa dona” caminhando
Pelos salões arrastando o seu vestido rendado…
Brasil, pra mim, pra mim, Brasil!

Brasil,
Terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiferente

Ô Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
Ô Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor…

Brasil, pra mim, pra mim, pra mim!

Ah onde essas fontes murmurantes
Aonde eu mato a minha sede
e onde a lua vem brincar

Ah ah ah ah, esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro

Brasil, pra mim, pra mim, Brasil!
Brasil, pra mim…

Brasil… Brasil!

05| Festa da Música Tupiniquim

COMPOSIÇÃO: Gabriel O Pensador – com Gabriel O Pensador

Há muito tempo tá rolando essa festa maneira
Da música popular brasileira ninguém me convidou mas eu queria entrar
Peguei o 175 e vim direto pra cá pra
Pra Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Na Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Na portaria o segurança pediu o crachá do Gilberto Gil
Ele apenas sorriu
Acompanhado por Caetano, Djavan, Pepeu, Elba, Moraes, Alceu Valência
(Xá comigo! Da licença! Abre essa porta, cabra da peste)
E foi assim que eu penetrei com a galera do Nordeste

Baby tá na área, senti firmeza! E aí Sandra de Sá!
_”Bye bye tristeza…”
Birinight á vontade a noite inteira
Olha o Ed Motta assaltando a geladeira
Olha quanta gata bonita e gostosa! Olha o Tiririca com uma negra cheirosa

Ué! Cadê os críticos?! Ninguém convidou? “Barrados no Baile uouou”
Não é festa do cabide mas o Ney tirou a roupa
Bzzz… Paulinho Moska pousou na minha sopa
Cidade Negra apresentou um reggae nota cem
Tá rolando um Skank também! E o Tim Maia até agora nem pintou
Mas o Jorge Benjor trouxe a banda que chegou “Pra animar a festa”

É a Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Na Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

A festa tá correndo bem
O Lobão até agora não falou mal de ninguém
O Barão e o Titãs tão tocando Raulzito
A Rita Lee tá vindo ali…ãnh? Não acredito! Ela olhou pra mim e disse “baila comigo”
Eu senti aquele frio no umbigo
Mas é claro que adorei o convite e fui dançar ouvindo o som do Kid Abelha, Paralamas e a Blitz

(Isso aqui tá muito bom, isso aqui tá bom demais…) “Segura o tchan, amarra o tchan”
(Xô, Satanás!) Há há! Lulu Santos acabou de chegar com a pimenta malagueta pro planeta balançar
O Chico César, Science, e o Buarque observam um pessoal dançando break no chão
E no andar lá de cima um do donos da festa. Tá na boa, tá em paz, tá tocando um violão:
“Festa estranha com gente esquisita, eu não tô legal, não aguento mais birita”

É a Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Na Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Chopp na tulipa, vinho na taça (camisinha na boquinha da garrafa)… Salve-se quem puder!
Ih… o João Gordo vomitou no meu pé
Fui limpar e dei de cara com os Raimundos que me contaram que entraram pelos fundos

Perguntei pelo banheiro e fiz papel de Mané os sacanas me mandaram pro banheiro de mulher
As meninas tavam lá e foi só eu entrar que a Cássia Eller, Zizi Possi e a Gal começaram a gritar (Ahhhhh!)
Quanta saúde! Fernanda Abreu, Daniela Mercury, Marisa Monte, Daúde… calma, eu não vi nada! A Ângela Rô Rô queria me dar porrada

Mas os três malandros, Moreira, Bezerra e Dicró, me ajudaram a escapar da pior
Fui pro fundo de quintal, casa de bamba todo mundo bebe todo mundo samba
Beth Carvalho, Alcione, Zeca Pagodinho Neguinho da Beija-Flor…Diz aí Martinho!
Comé que é, professor?
_”É devagar, é devagar, devagarinho”

Na Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Na Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Essa festa é uma loucura
Olha lá o Carlinhos Brown com o pessoal do Sepultura vieram com os índios Xavantes
E a polícia veio atrás tentando dar flagrante E-e-e-ê! O índio tem apito e eu não entendi porquê
Começaram a apitar quando a polícia chegou mas a galera do Cachimbo da Paz nem escutou
Porque o Olodum tava fazendo um batuque maneiro

Até chegarem milhares de funkeiros
Eram tantas duplas que eu até me confundi
Chamei Leandro & Leonardo de MC! E o Zezé de Camargo & Luciano ficaram me zuando
E o funk rolando! Aah… vocês tinham que ver! Chitãozinho & Xororó gritando Uh! Tererê!

O pessoal da Jovem Guarda agitando sem parar
Estavam em outra festa mas vieram pra cá
Passei ali por perto e ouvi o Roberto comentar: “Ê hei!
Que onda, que festa de arromba!”

Existem mil garotas querendo passear comigo, bye

Todo mundo no maior astral mas rolou um boato que preocupou o pessoal
Diziam as más linguas, à boca pequena, que o Michael Jackson tava chegando pra roubar a cena
E foi aí que a Marina ouviu uma buzina e todos foram pra janela na maior adrenalina
Uma brasília amarela dobrava a esquina, Adivinha quem era?

E a Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Na Festa da Música Tupiniquim
Que tá rolando aqui na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente e não tem hora pra acabar
E muita gente ainda tá pra chegar

Aqui na Festa da Música Tupiniquim

Na rua Antônio Carlos Jobim
Todo mundo tá presente rapaz
E muita gente ainda tá pra chegar

Uh!, uh…

06| Carinhoso

COMPOSIÇÃO: Pixinguinha / João de Barro – com Ângela Maria e Cauby Peixoto

Meu coração, não sei por que
Bate feliz quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo
Mas mesmo assim
Foges de mim

Meu coração, não sei por que
Bate feliz quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo
Mas mesmo assim
Foges de mim

Ah se tu soubesses como sou tão carinhoso
E o muito, muito que te quero
E como é sincero o meu amor
Eu sei que tu não fugirias mais de mim

Vem, vem, vem, vem,
Vem sentir o calor dos lábios meus a procura dos teus
Vem matar essa paixão que me devora o coração
E só assim então serei feliz
Bem feliz

Meu coração, não sei por que

07| Brasileirinho (Instrumental)

COMPOSIÇÃO: Waldir de Azevedo – com Pepeu Gomes

08| As Rosas não Falam

COMPOSIÇÃO: Cartola – com Beth Carvalho

Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão,
Enfim
Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar
Para mim
Queixo-me às rosas,
Mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai
Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim
Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim

09| Foi um rio que passou em minha vida

COMPOSIÇÃO: Paulinho da Viola – com Paulinho da Viola

Se um dia
Meu coração for consultado
Para saber se andou errado
Será difícil negar
Meu coração
Tem mania de amor
Amor não é fácil de achar
A marca dos meus desenganos
Ficou, ficou
Só um amor pode apagar
A marca dos meus desenganos
Ficou, ficou
Só um amor pode apagar…
Porém! Ai porém!
Há um caso diferente
Que marcou num breve tempo
Meu coração para sempre
Era dia de Carnaval
Eu carregava uma tristeza
Não pensava em novo amor
Quando alguém
Que não me lembro anunciou
Portela, Portela
O samba trazendo alvorada
Meu coração conquistou…
Ah! Minha Portela!
Quando vi você passar
Senti meu coração apressado
Todo o meu corpo tomado
Minha alegria voltar
Não posso definir
Aquele azul
Não era do céu
Nem era do mar
Foi um rio
Que passou em minha vida
E meu coração se deixou levar
Foi um rio
Que passou em minha vida
E meu coração se deixou levar
Laia, laia, laia, laia…

10| Tristeza do Jeca

COMPOSIÇÃO: Angelino de Oliveira – com Ney Matogrosso

Nesses versos tão singelos
Minha bela, meu amor
Prá você quero contar
O meu sofrer e a minha dor
Eu sou que nem sabiá
Quando canta é só tristeza
Desde o gaio onde ele está
Nessa viola eu canto e gemo de verdade
Cada quadra representa uma saudade
Eu nasci naquela serra
Num ranchinho beira chão
Todo cheio de buraco
Adonde a lua faz clarão
Quando chega a madrugada
Lá no mato a passarada
Principia um barulhão
Nessa viola, eu canto e gemo de verdade
Cada quadra representa uma saudade
Lá no mato tudo é triste
Desde o jeito de falar
Pois o Jeca quando canta
Tem vontade de chorar
E o choro que vai caindo
Devagar vai se sumindo
Como as águas vão pro mar

11| Sebastiana

COMPOSIÇÃO: Rosil Cavalcanti e Jackson do Pandeiro – com Lenine

Convidei a comadre Sebastiana
Pra cantar e xaxar na Paraíba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
Convidei a comadre Sebastiana
Pra cantar e xaxar na Paraíba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
E gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
E gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
Já cansada no meio da brincadeira
mesmo dançando fora do compasso
Eu peguei Bastiana pelo braço
E gritei, não faça sujeira
O xaxado esquentou na gafieira
Bastiana não deu mais fracasso
Ela gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
Ela gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
Sebastiana, Sebastiana
Convidei a comadre Sebastiana
Pra cantar e xaxar na Paraíba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
Ela gritava, ela gritava
Vi que gritava
Eu vi que gritava
Já cansada no meio da brincadeira
Mesmo dançando fora do compasso
Eu peguei Bastiana pelo braço
E gritei, não faça sujeira
O xaxado esquentou na gafieira
Bastiana não deu mais fracasso
E gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
E gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
Ela gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
E gritava: a, e, i, o, u, ipsilone
Sebastiana, Sebastiana
Convidei a comadre Sebastiana
Pra cantar e xaxar na Paraíba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
Ela veio com uma dança diferente
E pulava que só uma guariba
Ela gritava, ela gritava
Vi que gritava
Eu vi que gritava a, e, i, o, u, ipsilone

12| Barquinho

COMPOSIÇÃO: Ronaldo Bôscoli / Roberto Menescal – com Maysa

Dia de luz, festa de sol
Um barquinho a deslizar no macio azul do mar
Tudo é verão, amor se faz
Num barquinho pelo mar que desliza sem parar
Sem intenção, nossa canção
Vai saindo deste mar e o sol
Vejo o barco e luz, dias tão azuis
Volta do mar, desmaia o sol
E o barquinho a deslizar e a vontade de cantar
Céu tão azul, ilhas do sul
E o barquinho ao coração deslizando na canção
Tudo isso é paz, tudo isso traz
Uma calma de verão e então
O barquinho vai, a tardinha cai
Volta do mar, desmaia o sol
E o barquinho a deslizar e a vontade de cantar
Céu tão azul, ilhas do sul
E o barquinho ao coração deslizando na canção
Tudo isso é paz, tudo isso traz
Uma calma de verão e então
O barquinho vai, a tardinha cai
O barquinho vai, a tardinha cai

13| Eu e a Brisa

COMPOSIÇÃO: Johnny Alf – com Jonhn Alf

Ah, se a juventude que essa brisa canta
Ficasse aqui comigo mais um pouco
Eu poderia esquecer a dor
De ser tão só prá ser um sonho
E aí então quem sabe alguém chegasse
Buscando um sonho em forma de desejo
Felicidade então prá nós seria
E, depois que a tarde nos trouxesse a lua
Se o amor chegasse eu não resistiria
E a madrugada acalentaria a nossa paz
Fica, oh brisa fica pois talvez quem sabe
O inesperado faça uma surpresa
E traga alguém que queira te escutar
E junto a mim queira ficar
Bem junto a mim queira ficar
E, depois que a tarde trouxesse a lua
Se o amor chegasse eu não resistiria
E a madrugada acalentaria a nossa paz
Fica, oh brisa fica pois talvez quem sabe
O inesperado faça uma surpresa
E traga alguém que queira te escutar
E junto a mim queira ficar
Bem junto a mim queira ficar

14| Foi Deus Quem fez Você

COMPOSIÇÃO: Luís Ramalho – com Amelinha

Foi Deus que fez o céu, o rancho das estrelas
Fez também o seresteiro para conversar com elas
Fez a lua que prateia minha estrada de sorrisos
E a serpente que expulsou mais de um milhão do paraíso.
Foi Deus quem fez você
Foi Deus que fez o amor
Fez nascer a eternidade num momento de carinho
Fez até o anonimato dos afetos escondidos
E a saudade dos amores que já foram destruídos
Foi Deus
Foi Deus que fez o vento
Que sopra os teus cabelos
Foi Deus quem fez o orvalho
Que molha o teu olhar, teu olhar
Foi Deus que fez a noite
E o violão planjente
Foi Deus que fez a gente
Somente para amar, só para amar, só para amar.
Foi Deus que fez o céu, o rancho das estrelas
Fez também o seresteiro para conversar com elas
Fez a lua que prateia minha estrada de sorrisos
E a serpente que expulsou mais de um milhão do paraíso.
Foi, foi Deus quem fez você
Foi Deus que fez o amor
Fez nascer a eternidade num momento de carinho
Fez até o anonimato dos afetos escondidos
E a saudade dos amores que já foram destruídos
Foi Deus
Foi Deus que fez o vento
Que sopra os teus cabelos
Foi Deus quem fez o orvalho
Que molha o teu olhar, teu olhar
Foi Deus que fez a noite
E o violão planjente
Foi Deus que fez a gente
Somente para amar, só para amar, só para amar
Foi, foi Deus

15| Planeta Água

COMPOSIÇÃO: Guilherme Arantes – com Guilherme Arantes

Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão…
Águas escuras dos rios
Que levam
A fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população…
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas
Ronco de trovão
E depois dormem tranqüilas
No leito dos lagos
No leito dos lagos…
Água dos igarapés o céu vai embora
Onde Iara, a mãe d’água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão…
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris
Sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes, são lágrimas
Na inundação…
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra…
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água…
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água…